Domingo, 17 de Janeiro de 2021 12:36
77 99962-1243
Regional CAMPANHA

Comunidade de Licínio de Almeida (BA) recebe campanha contrária à mineração

Distribuição de cestas agroecológicas foram feitas nesta sexta (27) e ações de conscientização sobre o risco do empreendimento serão feitas também neste sábado (28)

30/11/2020 20h45
Por: Redação Fonte: Ascom MAM
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

A comunidade de Licínio de Almeida, na Bahia, recebeu hoje pela manhã cerca de 90 cestas agroecológicas como parte da Campanha em Defesa das Nascentes da Serra do Salto: Águas que brotam vidas, realizada pela Associação dos Pequenos Agricultores de Taquaril dos Fialhos, com o apoio da Pastoral da Terra - Bahia (CPT-BA) e do Movimento pela Soberania Popular na Mineração (MAM). As cestas solidárias foram produzidas em três comunidades que são impactadas por projetos minerários ou pela ameaça dele - Taquaril dos Fialhos (Licínio de Almeida), João Barroca (Caitité) e Guirapá (distrito de Pindaí). 

Os alimentos sem agrotóxicos são oriundos da agricultura familiar e foram distribuídos em alguns bairros vulneráveis de Licínio de Almeida. Já as ações de panfletagem de hoje e de amanhã têm por objetivo reafirmar, junto à população, os riscos do empreendimento mineral da Companhia do Vale do Paramirim, que pretende explorar na região minérios como ferro, ouro, lítio, cobre, manganês entre outros. 

“Acredito que essa mineração é um desserviço, não só para a comunidade como para o município como um todo”, afirma Zé da CUT. “É muito triste a gente saber que a gente mora num lugar, onde a gente sobrevive, tem tranquilidade, e a gente ter que sair por causa de uma mineradora que entra e tira tudo que a gente tem”, afirma dona Dalvina, moradora da comunidade. Ambos os depoimentos foram extraídos do documentário “Não é só uma terra...Nada paga a vida que temos aqui”, produzido por Thomas Bauer.

É nesse local onde nasce o rio do Salto, única fonte de água doce que abastece as comunidades dos municípios de Licínio de Almeida, Rio Teotônio, Grajaú e Cauê. Essa região faz parte de um total de 32 municípios ameaçados pelo projeto da Companhia do Vale do Paramirim. A ameaça é tamanha que o local está sendo chamado de “Província Mineral do Vale do Paramirim”, reunindo oito blocos que abrangem oito distritos minerais localizados em uma faixa de 45 mil km² do semiárido baiano, na região centro-sudoeste do estado. 

A comunidade é centenária e há consenso de que não se quer que a mineração se instale na região. A soberania alimentar é uma realidade na região, e o projeto de mineração ameaça as condições desse tipo de cultivo pois não há projeto de mineração que não seja invasivo, poluente e que danifique de maneira irreparável a natureza. “Aqui é uma comunidade diferenciada porque consegue se auto sustentar, não há mais o movimento de êxodo trabalhista para colher café em São Paulo, por exemplo, nem cortar madeira, em Minas Gerais. Eles produzem tudo para a subsistência e o excedente vendem em Licínio de Almeida”, conta a militante do MAM que participou da ação, Ione Rochael.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Guanambi - BA
Atualizado às 12h16 - Fonte: Climatempo
28°
Poucas nuvens

Mín. 19° Máx. 28°

28° Sensação
5 km/h Vento
47% Umidade do ar
90% (5mm) Chance de chuva
Amanhã (18/01)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 19° Máx. 29°

Sol e Chuva
Terça (19/01)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 19° Máx. 29°

Sol com algumas nuvens
Anúncio